Inovar continuamente é um desejo das empresas e de muitos profissionais.

Fazer coisas que nunca foram feitas antes.

E muitas organizações inclusive são projetadas nesse conceito.

“O interesse meteórico pelo Design Thinking nos últimos anos corresponde ao desejo pela inovação, por novas práticas para projetas serviços e buscar por soluções”, disse Gustavo Vieira, professor do nosso curso online Design Thinking Experience.

 

E, logo, a resposta por essa busca foi encontrada nos designers. Os designers são profissionais treinados para criar coisas que nunca foram feitas antes. E o seu processo criativo passou a ser objetivo curiosidade.

O que é Design Thinking?

Uma das grandes dúvidas que levaram ao Design Thinking é: somos cobrados por respostas o tempo todo, mas em qual momento nos ensinam a fazer perguntas?

O Design Thinking é uma abordagem que nos ajuda mudar o nosso estado mental e nos estimula a resolver problemas com novas perspectivas.

Encontrar soluções e dar respostas colocando sempre as pessoas no centro das decisões e envolvendo-as em todo o processo, desde o entendimento, até a entrega das soluções.

O Design Thinking instiga que a empresa adote uma forma de trabalho mais humana e com uma intensa percepção sobre o outro, colocando o ser humano (cliente, usuário, beneficiado) no foco da solução, o que é chamado também de Human Centered Design, ou design centrado no ser humano.

E é justamente por promover esse “olhar empático” que as soluções provenientes desse processo tendem a agregar valor de maneira mais perceptível ao usuário. Aí que mora a mágica.

Além do mais, a metodologia adota princípios que tornam o trabalho mais dinâmico e participativo, pois se apropria de premissas como:

Pensamento integrativo: quanto mais multidisciplinares as equipes, maior a possibilidade de gerar ideias que se complementam e criam algo novo.

Teste de possibilidades: uma das premissas do design thinking é que as ideias sejam colocadas em prática primeiramente em protótipos de baixa fidelidade a fim de serem testadas com os usuários para refiná-las e chegar mais próximo do ideal. Isso permite que não sejam investidos altos recursos em ideias que não sabemos que dará certo;

Criatividade para resolver problemas: a prática combina o pensamento divergente e o convergente sistematicamente, o que ajuda na busca de soluções mais criativas

Método visual: We love post-its! A premissa de sempre deixar as ideias visíveis a todos e o famoso “vou desenhar para você entender” funciona – e muito.

Incentivo à colocar ideias em prática e aprender com os erros: A geração de conhecimento e de valor acontece porque as ideias são testadas, e quando dão certo, ótimo! Mas eventualmente algumas coisas sairão diferente do previsto em hipóteses e é preciso aprender com isso!


Leia também:

Carreira em Design Thinking: porque é uma habilidade em ebulição?

8 ferramentas do Design Thinking que você deveria estar utilizando

7 elementos essenciais para se ter uma ideia ou inovar qualquer coisa