milesgeniusbadgevideoexpertsunlimitedcreativeskillsformletsgoexperience

Carreira

Como os jogos podem te ajudar a gerar ideias?

Atualizado em 16 de Janeiro, 2018

Como os jogos podem te ajudar a gerar ideias?

Como os jogos podem te ajudar a gerar ideias?

Você já imaginou transformar o seu trabalho em um jogo?

Pense em um jogo que você realmente gosta. Por que você joga? O que torna o jogo agradável? Por que é divertido?

Agora pense em sua última reunião. Quem estava lá? Qual foi o objetivo da reunião? Qual foi o processo que você usou para que as pessoas se movessem em direção ao objetivo?

Agora pense no jogo novamente. Faça uma lista de coisas que tornam seu jogo favorito divertido. A questão é: jogos e reuniões têm algumas coisas em comum, pois eles envolvem pessoas passando por um processo compartilhado para tentar alcançar um objetivo.

Veja se você pode encontrar ideias do seu jogo favorito que possam tornar sua reunião mais divertida e divertida. Por exemplo, você poderia usar um jogo que o ajudasse a rastrear o progresso na reunião?

Você poderia passar uma bola para o próximo a falar para reduzir o número de interrupções? Talvez você possa escrever algumas perguntas em algumas cartas e pedir que os participantes da reunião tirem uma e responda a pergunta da carta.

Estudos têm demonstrado que pessoas envolvidas emocionalmente aprendem e lembram melhor. Então, se você faz uma reunião divertida, também é mais provável que você melhore o aprendizado e as pessoas tendem a se lembrar do aprendido.

Grandes ideias no mundo não são geradas por acaso. Cada vez mais é possível nas empresas criar um ambiente criativo para que nasçam inovações, estimule a geração de ideias.

Diversas empresas do Vale do Silício, berço das empresas mais inovadoras do mundo, utilizam no dia a dia, jogos para:

  • Superar conflitos e aumentar o comprometimento com jogos direcionados a equipes
  • Melhorar a colaboração e a comunicação com técnicas do Visual Thinking
  • Gerar ideias melhores e em maior quantidade – mais rápido do que nunca
  • Encurtar reuniões e torna-las mais produtíveis
  • Simular e explorar sistemas complexos, interações e dinâmicas
  • Identificar a raiz de um problema e propor soluções


O QUE É UM JOGO DE CONHECIMENTO?

Imagine um menino brincando com uma bola. Ele chuta a bola contra uma parede, e a bola remete para ele. Ele pára a bola com o pé e chuta a bola novamente. Ao se envolver nesse tipo de peça, o menino aprende a associar certos movimentos de seu corpo aos movimentos da bola no espaço. Poderíamos chamar essa peça associativa.

Agora imagine que o menino está à espera de um amigo. O amigo aparece, e os dois meninos começam a caminhar por uma calçada juntos, chutando a bola para frente e para trás à medida que vão.

Agora, a situação ganhou uma dimensão social.

As ações de um menino sugerem uma resposta, e vice-versa. Você poderia pensar nesta forma de jogo como uma espécie de conversa improvisada, onde os dois meninos se envolvem usando a bola como meio.

Este tipo de jogo não tem início ou final claro: em vez disso, ele flui perfeitamente de um estado para outro. Poderíamos chamar essa reprodução de streaming.

Agora imagine que os meninos venham a um pequeno parque e que eles se aborrecem simplesmente chutando a bola para frente e para trás.

Um garoto diz para o outro: “Vamos se revezar tentando atingir aquela árvore. Você deve chutar a bola por trás desta linha. “O garoto desenha uma linha”. “Vamos revezar chutando a bola. Cada vez que você bate na árvore, você recebe um ponto. As primeiras entre as cinco vitórias. “O outro garoto concorda e eles começam a jogar. Agora, a peça tornou-se um jogo; um tipo de jogo fundamentalmente diferente.


JOGOS ESTIMULAM NOVAS IDEIAS


Um jogo pode ajudar a gerar Ideias na empresa e muito mais.

De acordo com o Gartner Group, 50% das maiores empresas do mundo utilizariam tecnologias lúdicas nos seus processos de inovação. Países como a Índia, a China e o Brasil, vão despontar no mercado dos jogos corporativos não-virtuais e virtuais nos próximos anos.

A aceitação e a compreensão da mecânica dos jogos pode gerar benefícios em muitos ambientes de trabalho, particularmente naqueles em que os antigos modelos de hierarquia ainda imperam.

Mas os resultados práticos ainda geram dúvidas aos empresários e CEOs, e a questão: o que uma empresa pode aprender com a utilização desta técnica, ainda não fica clara.

Por isso, vamos apontar os 7 principais benefícios da aplicação de técnicas gamificadas não-virtuais e virtuais no ambiente corporativo, confira:

1. Entendimento de todas as áreas da empresa. Dentro de uma organização cada um tem a sua função, seu cargo, para o qual foi contratado. Mas no dia a dia os colaboradores precisam se relacionar com diversas áreas e, muitas vezes, não entendem os processos de cada departamento. Os jogos pode ajudar toda a sua equipe a compreender como funciona cada processo de suas operações de um jeito divertido e eficiente.

2. Seleção de talentos ou treinamentos. Os jogos não-virtuais e virtuais podem ser usados com bastante eficácia pelo setor de RH. A Natura, por exemplo, usa simuladores para workshops e atividades que trabalham a tomada de decisão dos gestores. Já na Ambev, os jogos são aplicados em uma das fases do processo seletivo de traines.

3. Gerar ideias: Os jogos também podem ajudar gestores a focarem em ideias criativas e em metas ao desenhar uma estratégia com seus funcionários por meio de um processo chamado gamestorming, tema do curso com Gustavo Vieira, que é uma sessão de brainstorm com regras de games envolvidas.

4. Testar programas internos, estratégias de comportamento e marketing. Usar os jogos para testar novas estratégias internas e externas, por exemplo, é um grande avanço, pois permite que você teste ações junto a grupos de diferentes comportamentos, de uma só vez.

5. Melhora da produtividade. É fato que a produtividade está diretamente conectada com a motivação. Por meio dos jogos é possível atingir o que motiva intimamente as pessoas.

6. Maior colaboração entre as equipes. Muitos desafios propostos podem ser elucidados em equipe. Se a união e o engajamento forem um ponto negativo na organização, a empresa pode os jogos para virar este quadro.

7. Ambiente inovador. Manter um ambiente de trabalho que gere inovação não é fácil. São muitos os aspectos envolvidos para manter essa energia em alta. Com ajuda da mecânica de jogos, o cotidiano com os jovens da geração Y pode ser estimulado. Os jovens já chegam estimulados ao mercado de trabalho, buscando esse tipo de motivação. Usar os jogos, algo que faz parte do seu dia a dia, faz com que os colaboradores pratiquem a persistência e inovem sempre.

 

O QUE TORNA UM JOGO DIFERENTE?

Há alguns componentes básicos que tornam um jogo diferente.

Espaço do jogo: entrar em um jogo é entrar em outro tipo de espaço, onde as regras da vida comum são temporariamente suspensas e substituídas pelas regras do espaço do jogo. Com efeito, um jogo cria um mundo alternativo, um mundo modelo. Para entrar em um espaço de jogo, os jogadores devem concordar em respeitar as regras desse espaço e devem entrar de bom grado. Não é um jogo se as pessoas são forçadas a jogar.

Limites: um jogo tem limites no tempo e no espaço. Há um momento em que um jogo começa – quando os jogadores entram no espaço do jogo – e um momento em que eles deixam o espaço do jogo, terminando o jogo. O espaço do jogo pode ser pausado ou ativado por acordo dos jogadores.

Regras de interação: dentro do espaço do jogo, os jogadores concordam em respeitar as regras que definem a forma como o mundo do jogo opera. As regras do jogo definem as restrições do espaço do jogo, assim como as leis físicas, como a gravidade, restringem o mundo real.

Artefatos: a maioria dos jogos emprega artefatos físicos; objetos que possuem informações sobre o jogo, seja intrinsecamente ou em sua posição. A bola e a árvore em nosso jogo são objetos. Quando a bola atinge a árvore, um ponto é marcado. Essa é a informação. Os artefatos podem ser usados para rastrear o progresso e manter uma imagem do estado atual do jogo.

Objetivo: os jogadores devem ter uma maneira de saber quando o jogo acabou; um estado final que todos estão empenhados em alcançar, entendido e aceito por todos os jogadores. Às vezes, um jogo pode ser cronometrado, como em muitos esportes, como o futebol. Podemos encontrar esses elementos familiares em qualquer jogo, seja ele xadrez, tênis ou poker.

5 PASSOS PARA ACESSAR O MUNDO DOS JOGOS CORPORATIVOS

Você verá que cada jogo é um mundo que evolui em etapas, da seguinte forma: Imagine o mundo, crie o mundo, entre no mundo, explore o mundo e deixe o mundo.

1. Imagine o mundo. Antes que o jogo possa começar, você deve imaginar um mundo possível. O mundo é um espaço temporário, no qual os jogadores podem explorar qualquer conjunto de idéias ou possibilidades.

2. Crie o mundo. Um mundo de jogo é formado dando limites, regras e artefatos. Os limites são os limites espaciais e temporais do mundo; seu começo e fim, e suas bordas; As regras são as leis que governam o mundo; e artefatos são as coisas que povoam o mundo.

3. Digite o mundo. Um mundo de jogo só pode ser inserido por acordo entre os jogadores. Para concordar, eles devem entender os limites, regras e artefatos do jogo; o que eles representam, como eles operam, e assim por diante.

4. Explore o mundo. Os objetivos são a força animadora que impulsiona a exploração; eles fornecem uma tensão necessária entre a condição inicial do mundo e algum estado desejado. Os objetivos podem ser definidos antecipadamente ou pelos jogadores dentro do contexto do jogo.

5. Deixe o mundo . Um jogo termina quando os objetivos do jogo foram cumpridos. Embora alcançar um objetivo dê aos jogadores uma sensação de gratificação e realização, o objetivo não é realmente o ponto do jogo como um tipo de marcador para fechar cerimonialmente o espaço do jogo. O ponto do jogo é a peça em si, a exploração de um espaço imaginário que acontece durante a peça e os insights que provêm dessa exploração.

Tenha uma chance, experimente algo novo na sua próxima reunião e veja se você pode transformar o trabalho em jogo!